domingo, 18 de dezembro de 2016

SOLSTÍCIO XI

Já publicado:
Solstício I
Solstício II
Solstício III
Solstício IV
Solstício V
Solstício VI
Solstício VII
Solstício VIII
Solstício IX
Solstício X




A cerimónia acontecia no meio da floresta. Sob um crescente de lua brilhante que não bastava para iluminar a noite, Hildegaard guiou o seu primo por entre as árvores como se conhecesse o atalho de olhos fechados. Levavam dois archotes, mas apagados. Uma exigência da cerimónia, ao que parecia. A alumiar o caminho, Hildegaard usava apenas uma lanterna de barro. Outras luzes, no escuro da floresta, longe e perto, informavam que mais gente se encaminhava para o mesmo sítio.
Os cânticos provinham da clareira em frente. Ao chegar, as pessoas apagavam as lanternas e espalhavam-se em círculo em volta dos celebrantes. Hildegaard apagou a sua lanterna também e espetou o archote no chão.
No centro, Eric vislumbrou pela primeira vez as figuras que cantavam. Homens e mulheres, vestidos numa espécie de hábito azul escuro, como monges, até no capuz que lhes escondia as feições. Aparentemente, eles e elas na mesma função! Padres? Sacerdotisas? Eric não sabia como lhes chamavam ali.
Também estes se dispunham em círculo, em redor de uma grande pedra rectangular, branca e polida, que devia servir de altar. Quando os cânticos terminaram, uma das mulheres descobriu a cabeça grisalha e pegou na pequena candeia sobre a pedra. Imediatamente todas as outras luzes se apagaram. Tinha começado.
A mulher, alta e magra, escondeu nas duas mãos a pequena chama que quase morria num último sopro azulado. Tudo ficou escuro, tudo ficou em silêncio ao frio luar.
– Esta noite, celebramos as trevas. – disse a mulher, majestosa, litúrgica, a voz forte e grave para que chegasse a todos os presentes. – Tal como a semente germina nas trevas, possa a nossa alma florescer nas horas mais sombrias. Esta noite, celebramos as trevas.
Esta noite celebramos as trevas, repetiram todos, Hildegaard com eles.
Eric tentou não se sobressaltar, pela primeira vez pouco à vontade com o aspecto estranho e desconhecido daquilo tudo. Quantas pessoas poderiam estar à volta daquele círculo, e na escuridão das árvores? Cem, duzentas? Mais? O coro de vozes era intimidante o suficiente.
– Esta é a noite mais longa, mas amanhã o dia vence a noite. – continuou a mulher, e abriu as mãos. A pequena chama estremeceu e reluziu mais forte, iluminando-lhe o rosto enrugado de anciã. Erguendo os braços, a celebrante levantou a candeia acima da cabeça. – Amanhã, o dia vence a noite!

Amanhã, o dia vence a noite!

– Não temamos a noite mais longa, o fim de mais um ano, mas aprendamos dela a renascer das trevas. Esta noite celebramos as trevas e acolhemos o inverno nos nossos corações. Tal como a terra guarda a noite da semente, recolhamo-nos dentro de nós para frutificar mais tarde. Esta noite celebramos o inverno.

Esta noite celebramos o inverno.

– Nesta noite de vigília, lembramos as trevas e esperamos o sol.

Esperamos o sol.

Dois homens e duas mulheres de capuz aproximaram mechas à chama que a sacerdotisa segurava, e afastaram-se em diferentes direcções. Os outros pegaram nos sinos também disponíveis no altar.
– Agradecemos a terra! – exclamou a anciã, e os sinos tocaram, e à sua frente um dos quatro celebrantes avançou até à lenha previamente disposta em círculo no chão. Todos repetiram, e o lume foi aceso. – Agradecemos a água! – a mulher comandou, voltando-se para a sua esquerda, e os sinos tocaram, e todos repetiram, e outra fogueira foi acesa à sua frente. – Agradecemos o fogo! Agradecemos o ar!
Quando a sacerdotisa tinha descrito uma roda completa, todas as fogueiras ardiam, quatro círculos de fogo como os extremos de uma cruz.
– Um crucifixo? – Eric segredou ao ouvido da sua prima, abismado.
– Os quatro pontos cardeais, norte, oeste, sul, leste. – respondeu Hildegaard, e levou o dedo aos lábios para o calar.
– Agradecemos o inverno, – retomava a anciã – agradecemos a noite, agradecemos o dia, agrademos a mudança e a perenidade, a vida e a morte, o ciclo eterno. Na Grande Deusa nascemos e morremos, morremos e renascemos, e a ela retornamos. Como a terra, morremos, como o sol, renascemos.

Como o sol, renascemos.

– Nesta noite de vigília esperamos o sol, acolhemos o novo ano e agradecemos os frutos do ano que findou.
Todos os celebrantes tomaram nas mãos um género de facas, talvez adagas cerimoniais, e Eric franziu o sobrolho... No que se tornou a parte mais familiar de todo o ritual. Entre a cruz das quatro fogueiras, a mulher falava agora de agradecer o pão e o vinho, e as pessoas aproximavam-se dos celebrantes, em fila, entregando-lhes um pão. Os sacerdotes cortavam-no ao meio e devolviam-no, como se benzido. Essa cerimónia durou algum tempo, até a fila acabar, e depois a mulher falou do vinho, e logo todos os celebrantes apareceram com jarros, e dirigiram-se a cada um dos presentes e encheram-lhes os pequenos copos que estes tinham trazido. Surpreso, Eric aceitou o copo que Hildegaard lhe fornecia, prevenida, e o vinho que o padre.... o sacerdote lhe serviu dentro dele.
– Prima, isto já parece uma missa! – confessou-lhe num murmúrio, assim que julgou seguro que ninguém ouvisse.
Hildegaard apenas sorriu, mas depois as memórias traíram-na. Tinha temido que o seu primo reagisse chocado com o que via, que os julgasse um maligno bando de incréus, mas sim, parecia uma missa! Parecia mesmo uma missa! E a ideia, a absurdidade de tudo aquilo, o secretismo de tudo aquilo, saltou-lhe para fora num riso que não conseguiu controlar.
Todos se voltaram para ela, homens e mulheres e celebrantes, indignados. Hildegaard disfarçou e baixou a cabeça, tentando não rir mais. Os olhares desviaram-se para o imperador. A má influência que fazia rir a sua prima durante um ritual sagrado! Eric quase os podia ouvir, sem falarem. Era de todas a sua última intenção, causar problemas à sua prima por causa da religião, ou o que quer que aquilo fosse, e prometeu a si próprio não tornar a abrir a boca.
Felizmente, o que a sacerdotisa fez a seguir já não lhe inspirava gracejos. Agora a mulher falava de devolver à terra o fruto da terra, fosse isso o que fosse, e despejou sobre o altar um odre de vinho. O líquido escorreu vermelho, escuro e denso à luz do fogo. Eric quase adivinhou que não seria vinho o que dantes derramavam sobre aquela pedra... mas nem quis perguntar.
Os celebrantes lançaram em cada fogueira um punhado de ervas em pó, pelo cheiro um incenso aromático, e chamas azuis subiram no ar.
– Nesta noite de vigília celebramos as trevas! – reiterava a sacerdotisa, tal como na igreja. – Na Grande Deusa morremos e renascemos, como esta noite morre e o sol renasce. Celebremos as trevas antes da luz, que a luz já se aproxima!

A luz já se aproxima!

– Levai convosco a luz!
Tinha terminado, ao que parecia, porque Hildegaard, e todos os presentes, pegaram nos archotes apagados e foram acendê-los nas quatro fogueiras. As conversas e os risos regressaram, como acontecia a seguir à missa, e tal como na igreja os conhecidos cumprimentavam-se e trocavam beijos e abraços. Os sacerdotes e as sacerdotisas descobriram o rosto, e depois da liturgia pareciam tão comuns como os restantes.
Eric deixou cair o queixo de espanto ao reconhecer Etha entre eles. Fosse ela quem fosse, a mulher sem pêlos no rosto, era importante nas Terras Verdes. Jamais teria adivinhado!
Hildegaard não se demorou nos cumprimentos. Eric suspeitava mesmo que o lugar dela naquele ritual não era tão distante do círculo, tão afastados tinham permanecido os dois, como meros observadores. Mas compreendia-se. Ele era um observador. Só pela mão dela teria presenciado o cerimonial.
Algumas pessoas ficavam, outras começavam a ir-se embora. Com os dois archotes acesos, Eric e Hildegaard seguiram também o seu caminho.
Desta vez, temendo o resultado, o imperador tomou toda a cautela ao falar, já muito longe da clareira, onde já reconhecia as imediações do castelo:
– E agora isto parece uma procissão! – tornou a gracejar, apontando o archote.
Hildegaard riu, e ainda se riu mais recordando o riso embaraçado durante a cerimónia. Conseguia rir-se tanto, e tantas vezes, quando estava com ele! Seria tão difícil renunciar a esse riso!
– Então, deixa-me ver se compreendi. – Eric considerou, estreitando os olhos como se precisasse de se concentrar. – É a luz do Sol que levamos para casa nestes archotes!
– Bem, não é a luz do Sol...
– É a luz que nos lembra de que o Sol regressará, para não termos medo do escuro!
Hildegaard não chegou a responder. Outra gargalhada a impediu.
– E o vinho simboliza os sacrifícios de sangue, quando cortavam a garganta a qualquer desgraçado em cima daquela pedra... Confesso, por uns instantes, tive medo que esse desgraçado fosse eu...
Eric gracejava, ou talvez não gracejasse, e já não era motivo para rir mas Hildegaard tinha aprendido a entender aquele sentido de humor. Nem todos o entendiam.
– Só não percebi quem é a Grande Deusa. – meio a brincar, Eric admitiu a sua perplexidade. – Quem é a Grande Deusa?
Hildegaard parou de rir, somente um sorriso lhe permanecia nos lábios, ponderando antes de esclarecer:
– A Grande Deusa é o teu Deus. São o mesmo, porque só há Um. Eric, todos aqui estamos convertidos. Muitas das nossas práticas foram inspiradas nas da Igreja, e o contrário também. Era inevitável. O antagonismo não faz sentido. Mas vai dizer isso à tua Igreja!... – lamentou.
Por um bocado caminharam em silêncio. O castelo já se avistava ao luar quando Eric indagou, pensativo:
– Prima, acreditas em Deus? Nunca te perguntei porque não é importante. Mas estou curioso.
Era estranho, que alguém que dizia falar com os mortos demorasse tanto tempo a responder. Novamente Hildegaard tomou o seu tempo, e uma seriedade diferente acompanhou-lhe as palavras.
– Não sei no que acredito. – admitiu por fim. – Às vezes penso que somos postos no mundo sozinhos e às escuras, de propósito para nos obrigar a encontrar o nosso caminho.
A resposta surpreendeu o imperador. A profundidade, na sua prima, uma profundidade que nem sempre se adivinhava dela, porque a calava para si, porque só cautelosamente a revelava, ainda o deixava boquiaberto. Mais encantado do que boquiaberto.
– Sim, sem dúvida. É melhor que encontremos o nosso caminho. Ou outros se apressarão em encontrar um caminho para nós. – Eric meditou, numa profundidade mais amarga, e os olhos verdes da sua prima concordaram, cúmplices.
Os archotes ficaram à porta. Hildegaard tinha planos para eles, mais tarde, mas por agora não queria desencorajar o seu primo com a revelação de que o Solstício ainda não tinha chegado ao fim. Havia mais, de madrugada.
– Apetece-me beber o resto daquela aguardente que deixámos a meio. – disse ele, e já se encaminhava para o salão...
Hildegaard pegou-lhe no braço.
– Estamos sozinhos. – segredou-lhe, olhos nos olhos. Não, não o deixaria partir sem uma despedida. Podia ser a última vez que olhava assim aqueles olhos, azuis e profundos. Porque quando dissesse não, o definitivo não, aqueles olhos pertenceriam a outra. Outra mulher, qualquer outra com quem o seu primo teria de casar, e a mera ideia a agoniava por dentro... Não suportaria partilhá-lo. Não tinha nascido, orgulhosa e altiva, capaz de partilhar. Mas não precisava de o partilhar ainda. A noite era longa, ainda havia tempo. – Estamos sozinhos. – repetiu, no silêncio, e deixou que os olhos lhe dissessem tudo o que os lábios não precisavam de pronunciar. O castelo era deles, a noite era deles, o silêncio era um aliado. Ninguém a ouvir, ninguém a julgar. Ninguém a quem prestar contas.
Eric compreendeu, naqueles olhos sérios que o chamavam, e seriamente, suavemente, acariciou-lhe o rosto. Não era o que queria, e era o que mais queria! Não uma amante, só uma amante, mas tanto mais que isso! Entristecia-o, dizer adeus. Porque perguntaria, mais tarde, perguntaria de novo, mas já tinha perguntado tantas vezes, e era sempre a mesma, a resposta!
Hildegaard aproximou-se, e o seu beijo leve espantou-lhe a tristeza. Oh, ela cheirava... a floresta. A ramos verdes e bravios, e a ouro... Eric enlaçou-a nos braços e deixou que os dedos lhe percorressem aqueles cabelos da cor de ouro antigo, da cor dos seus. Demasiado próximo, o sangue que os unia? Nem lhe importaria, se o fosse, mas o verde daqueles olhos dizia-lhe: não, não demasiado próximo. Era ela a mulher que amava, a mulher que desejava, a mulher que nascera para reinar ao seu lado. Agora Eric sabia, tinha a certeza, e os pensamentos calaram-se-lhe nos beijos que o entonteceram. A noite era longa, podia pensar depois.




Continua... 

Sem comentários :

Enviar um comentário

Todos os comentários são bem vindos: