sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

SOLSTÍCIO IX

Já publicado:
Solstício I
Solstício II
Solstício III
Solstício IV
Solstício V
Solstício VI
Solstício VII
Solstício VIII




– Não quer visitar o castelo? – Melissen perguntou ao imperador, surpreendida, enquanto o acompanhava ao pátio. Pela conversa dos dois primos, tinha deveras julgado que ele vinha reclamar a casa de família!
– Penso que o castelo está em muito boas mãos. – Eric respondeu, e tentou não deixar transparecer a pressa em sair dali para fora. Felizmente, a sua prima já se aproximava.
 – Vamos embora? – deduziu Hildegaard, e despediu-se de Melissen: – Um bom Solstício para ti! Não vais passá-lo aqui sozinha, pois não?
– Não. – Melissen tranquilizou-a, sorrindo. – Estou à espera da minha família.
Furtivamente, Eric levantou os olhos para a mulher que ainda há pouco quase se desfazia em lágrimas. Ainda bem que não estava sozinha! Merecia algo de bom na sua vida depois de tanta tragédia. Algo de bom, uma família... E Eric voltou a baixar os olhos, uma sombra de amarga inveja a endurecê-los. Era sempre assim, por aquela altura do ano. Todos tinham uma família, todos tinham quem os esperasse. Todos, excepto uma outra, a sua antiga serva, tão infeliz, aquela que só no seu abrigo encontrara o primeiro lar que tinha conhecido. Reena, pobre Reena, como estaria ela, tão longe? Sim, ela agora tinha uma família. Sim, ele agora tinha uma família. Por quanto tempo, não sabiam. Não era essa a família que lhes faltava, que sempre lhes faltaria. A primeira família. Aquela que nem sabiam o que era. Reena também não sabia, como ele não sabia. Mas dois órfãos não são dois irmãos.
Sem pensar, Eric subiu para a carroça e tomou as rédeas.
Hildegaard subiu atrás dele, e sentou o menino ao colo e não disse nada enquanto o seu primo enveredava pela encosta por onde tinham vindo. Também não desejava parecer uma dessas mulheres, daquelas mandonas e caprichosas que queriam sempre tudo à sua maneira. Nunca o tinha sido, na verdade, mas talvez sempre o tivesse parecido. Hildegaard questionava-se, muitas vezes, se não seria essa a razão da falta de um amor na sua vida... Mas agora era tarde, tarde para tudo. Tarde até para se questionar.
– Descobriste o que vieste saber? – perguntou ao seu primo, e Eric acenou afirmativamente e inclinou a cabeça na direcção do pequenino.
– Descobri, e não é bom. Conto-te mais tarde.
Ainda há pouco era meio-dia, e já o entardecer se vinha anunciar! Os pássaros diurnos chilreavam, sobressaltados, na urgência de regressarem aos ninhos. Uma coruja madrugadora sobrevoou a carroça e pousou num ramo altivo, anunciando a chegada do seu reinado. Quando a carroça se aproximou da vila, no vale entre montanhas, a noite já tinha caído.
Hildegaard tinha reparado no silêncio do seu primo, um silêncio profundo e pesado que podia ter a ver com a visita dessa tarde. Mas havia algo mais naquele silêncio. Uma melancolia que era só dele, que já lhe tinha visto muitas vezes. A melancolia silenciosa que o tragava de volta para o passado. Por sua vontade, não o teria levado àquele castelo...
– O que estão eles a fazer? – Eric indagou, subitamente desperto, quando se cruzaram com os primeiros aldeões que atarefados decoravam as árvores perenes em volta de suas casas. Era o que pareciam fazer, enfeitando-lhes as pernadas mais fortes com lamparinas acesas, adornando-lhes os troncos e ramos com fitas de trigo entrelaçado, guardadas desde as colheitas, douradas e resplandecentes ao brilho das pequenas lanternas. Mais à frente, outros aldeões faziam o mesmo, e a floresta iluminava-se, árvores e árvores e árvores até a vista alcançar, como um céu cheio de estrelas.
– É o Solstício. – explicou Hildegaard, encolhendo os ombros. Nem lhe tinha passado pela cabeça que o seu primo se admirasse! Mas claro que se admirava, porque não sabia. – As luzes simbolizam o Sol. As lamparinas são acesas na esperança de que o Sol regresse, de madrugada, apesar da noite tão longa.
– Claro que o Sol vai regressar! – Eric exclamou, perplexo, e Hildegaard respondeu com um risinho. – Oh, não me digas que vós aqui ainda adorais o Sol!...
E Eric voltou-se para ela, de sobrolho franzido. Não era o choque de um homem religioso perante a heresia; era a estupefacção de um homem instruído perante o que devia considerar um autêntico disparate!
– Não te preocupes, primo, já ninguém aqui adora o Sol. Nem os deuses das árvores. – e como ele reagisse ainda mais abismado, Hildegaard riu de novo e abanou a cabeça. – Não, também não adoramos os deuses das árvores! Mas há muito tempo, talvez milénios, os povos desta terra adoravam os deuses das árvores, e os deuses da água, e os deuses da terra. Todos os deuses eram adorados, tantos quantos havia na natureza. Acreditava-se que esses deuses tinham de ser celebrados para recompensarem as gentes com boas colheitas. As fitas de trigo ainda restam desses tempos, ofertas aos deuses das colheitas. E antes de falares demais, lembra-te que a tua igreja também reza por boas colheitas!... Bem, aqui, damos as boas vindas ao Sol, e esta noite é a celebração do seu regresso. O Solstício, a noite mais longa do ano. Os antigos, talvez tivessem medo de que o Sol não regressasse. Que a noite, e o inverno, e o frio, não se fossem embora. O que estamos a celebrar aqui, primo, é já a esperança na próxima primavera. Esta é a noite mais longa, mas amanhã o dia vence a noite, e as noites serão cada vez mais curtas. É isso que celebramos.
Com um sorriso divertido, Eric aceitou a explicação. Os monges, no mosteiro onde fora educado, saltariam de raiva perante aqueles ritos pagãos, mas Eric não se importava. As lamparinas, pequenas chamas dançando em volta das árvores, brilhavam mais intensamente no ar frio e denso. De todas as chaminés cheirava a lenha nos fogões e a boa comida nos tachos. A noite, assim iluminada, acolhia os viajantes tardios que pelo caminho se cruzavam com a carroça e se dirigiam para casa. Viajantes como eles, e subitamente Eric também desejou chegar a casa. A lareira esperava-os, a mesa posta esperava-os. O calor dos sorrisos da sua prima e do seu filho esperavam-no.
Da janela do castelo, quando chegaram, a vista era ainda mais magnífica! Eric tomou o menino nos braços para lhe mostrar, de tão alto, o céu todo estrelado, a floresta cheia de estrelas. Aquilo era algo que nunca tinham contemplado, e o rapazinho olhava e sorria, boquiaberto, encantado, e Eric já achava que valeria todas as penas terem vindo às Terras Verdes só para deliciarem os olhos naquele espectáculo.
– Vê, como é bonita a terra da prima!
– Bonita! – exclamou o pequeno Eric, e apontou. Ao fundo do caminho, um grupo de homens e mulheres, à luz de archotes, subiam na direcção do castelo.
– Quem são aqueles? – Eric perguntou à sua prima, mas uma súbita azáfama já tinha tomado o salão. Todos os criados e criadas, Etha e a própria Hildegaard, se apressavam a encher bandejas e pequenos cestos com a comida que estava na mesa.
– São os cantores! Já vais perceber! Traz alguma coisa, e vem! – Hildegaard ordenou, e atrapalhado Eric voltou-se para a mesa e pegou num bolo de noz... Não! De certeza que iam dar a comida àquela gente que chegava e não levariam o delicioso bolo de noz! Rapidamente, pegou noutra bandeja.
Bem, parecia que teria de participar, que já estava a participar, e que só lhe restava seguir as pessoas da casa até à porta. Lá fora, o grupo de homens e mulheres, desafiando o frio com mantas e capuzes, pararam no pátio. Quando a música começou, o pequeno Eric, entusiasmado, já tinha tomado um lugar à frente de todos os adultos.
Tambores e gaitas de foles abriram caminho para as vozes femininas que logo se ergueram:
Ó da casa, não temais, a noite passará!
O sol regressará, ó da casa, não temais!

Atrás das mulheres, segurando os archotes, o coro dos homens pontuou:
Ó da casa, não temais!

A noite é longa e escura, mas o sol regressará!
Com a nossa luz viemos, a madrugada chegará!

Ó da casa, não temais!

A nossa luz trouxemos, na noite escura e fria!
Em vigília nós cantamos, e o sol regressará!

Ó da casa, não temais!

Nas trevas nós cantamos, e a noite se alumia!
A nossa luz trouxemos e o sol regressará!

Ó da casa, não temais!

O rufar de tambores e pandeiretas colheu a última nota da gaita de foles. No que era certamente uma tradição daquela época do ano, as pessoas do castelo aplaudiram e os cantores ofertaram os anfitriões com ramos de verde abeto. Hildegaard foi presenteada com uma grande coroa de bonito azevinho e hera viçosa. Em troca, os cantores aceitaram os cestos e bandejas de comida. Não porque precisassem! Dali, seguiriam a cantar de casa em casa, de porta em porta, como faziam todos os anos no Solstício.
Alegremente, despediram-se, e as pessoas do castelo enfeitaram as portas, a cozinha e o salão com os verdes ramos... e mais lamparinas! Aquele gente devia mesmo ter medo que o sol não regressasse, Eric troçou, mas guardou a troça no seu sorriso e nada disse. Afinal, era uma tradição engraçada e generosa, e todos pareciam contentes. Tanta comida começava a recordá-lo de que tinha fome, mas Hildegaard já fazia sinal de que eram horas de voltarem para a mesa. O muito que ainda restava, era para ser comido, e na noite mais longa do ano havia muito tempo para comer!




Continua... 

Sem comentários :

Enviar um comentário

Todos os comentários são bem vindos: